Dados do Acervo - Dissertações

Número de Chamada   
 
CETD    UFSC    PPSI    0108   
Autor Principal Cordazzo, Scheila Tatiana Duarte
Demais autores Vieira, Mauro Luis, orientador
Autor(es) Entidade(s) Universidade Federal de Santa Catarina . Programa de Pós-Graduação em Psicologia .
Título Principal Caracterização de brincadeiras de crianças em idade escolar [dissertação] / Scheila Tatiana Duarte Cordazzo ; orientador, Mauro Luis Vieira. -
Publicação Florianópolis, 2003.
Descrição Física 1 v. grafs., tabs. ; 30 cm
Notas Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia.
Bibliografia : 79-82.
Acesso Eletrônico http://www.tede.ufsc.br/teses/PPSI0108.pdf
Notas de Resumo O foco desta pesquisa se deteve em investigar os tipos de brincadeiras utilizadas por crianças de 6 a 10 anos de idade, que cursam o ensino fundamental e as diferenças de gênero existentes nas brincadeiras. A amostra constituiu-se de 213 crianças, matriculadas no ensino fundamental (1a à 4a séries), de uma escola da rede privada. O método utilizado neste trabalho foi a entrevista com as crianças em suas salas de aula e a observação direta nos horários de recreio, onde foram coletados dados referentes aos tipos de brincadeiras e suas diferenças de gênero. Os resultados obtidos pelas entrevistas apontaram que alguns tipos de brincadeiras foram verificados em todas as idades pesquisadas, são as que exigem coordenação motora ampla, os jogos eletrônicos e os jogos de faz de conta. Os jogos com brinquedos construídos foram citados somente por uma turma (9 anos de idade). As brincadeiras estereotipadas foram mais pronunciadas entre os meninos de 6 à 8 anos de idade, enquanto que entre as meninas o número de brincadeiras estereotipadas não foi relevante. As observações constataram que as brincadeiras que exigem coordenação motora ampla são as mais utilizadas pelas crianças, sendo o futebol pelos meninos e o pega-pega pelas meninas. A diversidade de brincadeiras e a freqüência de eventos observados diminui entre as crianças de 9 e 10 anos de idade, principalmente entre as meninas. Portanto, os dados obtidos mostram que as crianças em idade escolar ainda têm uma forte motivação para a brincadeira. Um modelo de estudo da brincadeira e a sua influência no desenvolvimento infantil foi elaborado com base na brincadeira física e simbólica. E finalmente, este trabalho propõe a construção de uma brinquedoteca na escola pesquisada, a fim de poder proporcionar maiores oportunidades para que as crianças utilizem a brincadeira como mais um recurso disponível para o seu desenvolvimento.
Numero de Controle local 199592
Número controle Bibliodata SC000716767
Assuntos Psicologia
Brincadeiras
Crianças - Desenvolvimento